terça-feira, 19 de abril de 2016

Penitenciária de Parnaíba é inspecionada pela Perícia Criminal após duas rebeliões





O Núcleo Avançado do Instituto de Criminalística da Polícia Civil iniciou nesta segunda-feira (18) a elaborar um laudo sobre o resultado da inspeção na estrutura da Penitenciária Mista Fontes Ibiapina, Litoral do Piauí, danificada após duas recentes rebeliões. A intervenção da Perícia Criminal aconteceu atendendo uma solicitação da juíza Maria do Perpétuo Socorro, da 1ª Vara Criminal de Parnaíba.




De acordo com o perito criminal Péricles Avelino, somente com a inspeção fotográfica e pericial foi possível observar grandes danos estruturais no prédio, com celas danificadas, áreas carbonizadas e falta de água. Além disso, a perícia constatou a superlotação e vários presos com problemas de pele.


"De fato o problema no presídio só se agravou com a última rebelião, que aconteceu antes mesmo da direção conseguir reparar os danos do motim realizado em dezembro. Muitas áreas danificadas foram isoladas, aumentando a superlotação nas poucas celas disponíveis", revelou.




A Perícia Criminal tem até 10 dias para concluir o laudo. Antes da entrega, o perito informou que irá conversar esta semana com a juíza Maria do Perpétuo Socorro, para saber se ela quer uma avaliação prévia sobre o dano estrutural do presídio ou um relatório final apontando todos os problemas do local.



Interdição


O vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), Kleiton Holanda, ressaltou que a denúncia sobre a situação precária da Penitenciária Mista de Parnaíba é antiga. Segundo ele, somente a construção de uma nova unidade resolveria o problema e, por esse motivo, a entidade vai entrar esta semana com uma ação civil no Ministério Público Estadual para pedir a interdição do presídio.


"Na verdade, vamos pedir a interdição de todas as penitenciárias em situação precária, que não têm condições de manter e receber mais presos. Além de Parnaíba, a ação visa atingir também a Irmão Guido, Casa de Custódia, os presídio de Picos, Esperantina e Floriano. Como solução vamos solicitar também a construção de mais duas unidades masculinas e uma feminina", disse.




O Sinpoljuspi criticou a reforma iniciada pela Secretaria de Justiça na Penitenciária de Parnaíba, que chegou a ficar dois meses parada porque a empresa responsável não estava recebendo o pagamento. Depois do segundo motim, a obra foi retomada, mas segundo o sindicalista, apenas estão sendo feitos os fechamentos dos buracos nas paredes e tetos, reparos nas grades quebradas e celas danificadas.



Kleiton Holanda lembrou que a Penitenciária Mista de Parnaíba foi criada em 1990, no local improvisado, onde funcionava Mercado Público da cidade. O local conta atualmente com 250 presos em regime aberto e semi-aberto, e 460 detentos no regime fechado. A capacidade era para apenas 137 pessoas.


fonte : Blog do Coveiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião. Ela é muito importante para nós...